Buscar
  • Educom UFU

Negligência ambiental: entenda melhor a questão da Amazônia

Por: Leonardo Vassoler e Lucas Figueira


A floresta Amazônica, ou Amazônia, não é importante apenas para o Brasil, já que sua existência é fundamental para o equilíbrio e estabilidade ambiental do planeta. Com os desmatamentos, as árvores liberam, aproximadamente, 200 milhões de toneladas de carbono por ano, que vai direto para atmosfera. Tal ação acaba aumentando o Efeito Estufa no planeta e ocasionando as mudanças climáticas no mundo todo. Além disso, os recursos hídricos da Amazônia são importantes para o Brasil e para o equilíbrio climático do planeta, já que possui a maior Bacia Hidrográfica da Terra, que compõe cerca de 20% da água doce líquida disponível.



A riqueza da maior floresta do mundo deve-se a biodiversidade existente no bioma, que conta com mais de 40 mil espécies de plantas, mais de 400 mamíferos e mais de mil aves diferentes. Entretanto, essa variedade vem sendo afetada pelos inúmeros impactos da ação humana no ambiente, que sofre com as plantações de soja, a pecuária, a extração ilegal de madeira, a mineração e a implantação de hidrelétricas, por exemplo.


Neste ano, o número de queimadas aumentou 70% em relação à mesma data do ano passado, segundo o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam). Com esse aumento, ocorre uma mudança climática no mundo todo, consequência da liberação de carbono. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) registrou mais de 53 mil focos de queimadas entre janeiro e agosto, enquanto no ano passado, o dado era de 26.500 focos de incêndios.


Recentemente o presidente deu declarações sobre a questão da Amazônia que fizeram com que países (Alemanha e Noruega) cortassem o investimento para o bioma. Abaixo é mostrado um vídeo do trecho da fala do chefe de estado brasileiro que resultou na revolta dos países europeus (o vídeo foi retirado do canal "Folha do Brasil").




A crescente onda de queimadas é uma realidade e um dos motivos apontados é o descaso do governo atual. Dentro do plano de governo de Jair Bolsonaro, atual presidente do Brasil, as questões ambientais não são contempladas em nenhuma das 81 páginas. Outro problema foi a proposta de fusão do Ministério da Agricultura com o do Meio Ambiente, medida divulgada ainda em 2018 pelo presidente eleito no mesmo ano. Meses após o pronunciamento, Bolsonaro voltou atrás na decisão, mas continuou realizando mudanças dentro dos Ministérios, como a transferência do Serviço Florestal Brasileiro, responsável pela regularização das propriedades rurais, para o âmbito da Agricultura.


Houve uma grande repercussão internacional após as queimadas ocasionadas na Floresta no dia 19 de agosto. Diversos artistas e celebridades, como Leonardo Di Caprio (ator e ativista), Gisele Bundchen (modelo e ativista), Lewis Hamilton (automobilista) e Kylian Mbappé (jogador de futebol), fizeram publicações em suas redes sociais falando sobre suas preocupações em relação à tragédia. Além do artistas que utilizaram suas redes sociais, alguns veículos de informação estrangeiros também noticiaram sobre as queimadas.


Emmanuel Macron, presidente da França

Em pronunciamento no Castelo de Chantilly, o presidente da França Emmanuel Macron disse que o presidente Bolsonaro mentiu sobre seus compromissos ambientais na última reunião do G20, em Osaka. Devido a reprodução internacional sobre as queimadas, os países europeus ficaram preocupados, não apenas pela grande liberação de carbono na atmosfera, mas por conta da Guiana Francesa. O departamento ultramarino francês é um dos países que abrange o bioma amazônico.


A Guiana Francesa é quase inteiramente coberta pela Floresta Amazônica. O principal ponto pelo qual a Europa se preocupa com a Guiana Francesa é devido a existência do Centro Espacial de Kourou. O centro é a base de lançamentos de foguetes e de satélites de três agências espaciais: a Agência Espacial Europeia (ESA), a Ariane Space, sociedade que participam dez países europeus, entre eles, França, Alemanha, Itália, Bélgica, Suíça, Suécia, Espanha, Países Baixos, Noruega e Dinamarca, e o Centre national d’études spatiales (CNSE), a agência espacial francesa.


As queimadas não influenciam apenas a própria Amazônia, afetada fisicamente pelo fogo, mas todo o mundo, que sofre com as questões políticas, econômicas e ambientais. Por isso, é necessário que toda sociedade entenda as importâncias das Amazônia e as consequências que podem derivar-se caso aconteçam queimadas fora do previsto, como está sucedendo agora. Além disso, o Estado deve buscar caminhos para erradicar as queimadas tidas como imprevisíveis e valorizar a vida de todas as espécies provenientes da Floresta Amazônica e de todos nós, que dependemos intrinsecamente desse bioma para sobrevivermos.

0 visualização