Buscar
  • Educom UFU

Dia da Alfabetização: a importância do processo de aprendizagem infantil

Por Lucas Figueira



Uma das fases mais importantes da vida é o processo de aprendizado e, neste sábado (14), é comemorado o Dia Nacional da Alfabetização. Professores, pais e até outros profissionais participam desse momento, que, segundo a definição etimológica, representa adquirir o alfabeto.


Na maioria dos casos, a alfabetização é realizada com crianças, a partir dos Ensinos Fundamentais. Adriane Vitoreti, professora, que trabalha na área há 29 anos, fala sobre a importância no ensino de base. “Eu acho que essa fase do aprendizado, esses anos iniciais do Ensino, são de extrema importância, pois são a base de tudo. Se não for bem feito, ao longo desses anos, as crianças vão carregar isso para o resto da vida”, explicou a professora.


A fonoaudióloga Priscilla Velloso também concorda com a importância de um ensino fundamental na vida das pessoas. Mesmo fora do ambiente escolar, ela também participa da alfabetização de crianças. “Se a gente pensar do ponto de vista da comunicação, quem não se comunica, se ‘trumbica’. Então, é preciso dar amparo para que a criança desenvolva a linguagem, a princípio, a linguagem oral, e, depois, a própria linguagem escrita”, relatou Priscilla.


Primeiros contatos dos alunos


Além de exercer o papel de educadora, as professoras dos ensinos fundamentais, também participam da vida das crianças quase como mães, principalmente, pelo tempo de convívio no dia a dia. De acordo com Adriane, a proximidade criada com os alunos pode ajudar no desenvolvimento desse processo. “Ter esse contato com o aluno é muito importante. Eles seguem muito a gente como exemplo".


Por participar do Ciclo 1 de aprendizagem, entre o 1º e o 3º ano, a professora chega a ficar cerca de 5 horas com cada aluno, o que representa, muitas vezes, período mais elevado do que o contato com os próprios familiares ao longo do dia. "Em alguns casos, ficamos mais tempo do que a mãe e percebemos que os alunos que saem do Fundamental I e vão para o Fundamental II sentem muito isso. Eles passam a ter aulas com vários professores e parece que não criam aquele vínculo que a gente tem”, completou a professora.


Papel da Fonoaudiologia


Além da escola, as crianças também podem ter auxílio na alfabetização através de outros profissionais, entre eles, na área da Fonoaudiologia, que, segundo Priscilla, “é uma ciência que visa a comunicação humana e as funções neurovegetativas”.


“Se a gente pensar na comunicação de base, até levando em conta que a criança esteja bem inserida em uma escola, em que o professor seja capacitado, a criança que troca letra na fala, provavelmente, vai trocar letras na escrita ou pode ter uma falha na discriminação auditiva. Então, pensando num desenvolvimento normal da criança, o nosso impacto está na comunicação em geral”, completou.


16 visualizações